Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

a dESarrumada

Citações minhas: "eu se não gostasse de meter aqui baboseiras pessoais já há muito que não tinha um blog... é que sinceramente, não tenho mais nada de interessante para escrever."

a dESarrumada

Citações minhas: "eu se não gostasse de meter aqui baboseiras pessoais já há muito que não tinha um blog... é que sinceramente, não tenho mais nada de interessante para escrever."

28
Ago16

O destino. Parte 2.

Lembram-se da ela e do ele que eu vos apresentei neste post?

Quando estive de férias em Portugal combinei um jantar com ele, na cidade onde ele mora e ele disse logo que sim. Afinal ele vem sempre ver-me, é o melhor amigo que tenho e o melhor amigo para toda a gente que conhece. Como poderia não adorar este moço?

Convidei a ela. Afinal já não nos víamos desde o ano passado! A ela aceitou vir às 20h30 jantar. Um restaurante super in e onde se enfarda bem. A ela gosta de enfardar, o ele gosta de enfardar, eu gosto de enfardar e a minha colega francesa que veio comigo de férias também gosta de enfardar. Todos gostamos de enfardar.

Às 20h estávamos prontos para ir para o restaurante, o ele ia dar-nos boleia. Já no carro recebo mensagem da ela a dizer que não podia vir. Saía tarde do trabalho nesse dia. Fica para uma próxima diz-me ela. Sim, fica para uma próxima, respondo eu.

25
Ago16

Como fazer a decisão correcta?

Vou aqui resumir o meu "problema" muito rapidamente: aqui no trabalho onde estou querem pagar-me uma formação muito porreira em Paris, no entanto teria que assinar com eles um contrato em que ficaria aqui a trabalhar mais três anos. Quem me segue desde o meu antigo blog sabe que estou em França a morar numa terrinha onde não se passa literalmente nada! Tenho 25 anos e sinto que a minha vida social é igual a zero... sinto que estagnei a nível pessoal. Há pouco tempo fiquei solteira, acabei com o Plutónio-man, um rapaz com quem namorava que está em Portugal, e sinto que aqui onde estou, se continuar a levar a vida que levo, bem que posso ficar solteira os próximos três anos (a menos que funcionasse algo com o gajo do banco, mas não adivinho o futuro!)

Portanto, sinto que tenho que decidir entre ter uma super formação paga (sem garantias que tenha hipótese de a exercer aqui onde estou, porque há problemas de "budget") e em contrapartida ter os piores 3 anos da minha vida e sentir-me super bloqueada pessoalmente, ou não aceito a proposta deles, vou trabalhar para outro sítio mais bem localizado e tiro a tal formação com dinheiro do meu bolso? (isto caso me aceitem uma segunda vez...)

Oh raios... só eu para me meter numa destas...

22
Ago16

O que eu pensei hoje sobre dietas.

Cheguei hoje das férias, pesei-me. Estou literalmente com mais 4 quilos do que há duas semanas. Dois deles devem ser retenção de líquidos (espero!) 

Pus-me a pensar sobre dietas durante as férias. O facto de pessoas como eu, a minha mãe e a minha avó (só assim três exemplos que me vieram à cabeça de repente!) conseguirem ter uma alimentação saudável durante todo o ano, mas depois durante as férias (Verão e Natal para mim!) a dieta derrapa e caímos por aí abaixo numa montanha de desculpas... esfarrapadas.

"Ai e tal, nunca bebo Coca-Cola* mas beber quase 2 litros por dia durante as férias parece-me perfeitamente razoável!"

"Ai que aqueles rissóis estão tão bons, normalmente não como fritos, mas estou de férias e se comer 8 seguidos o corpo nem sente!"

"Ah que o Magnum Double Chocolate* até é bem bom, e como está um calor dos diabos, se comer 2 por dia nem tem mal".

Isto todos os dias, durante 14 dias, 2 vezes por ano. Não há controlo, não há bom senso, não há nada. Depois ando pelo menos dois meses a "correr atrás" deste "estrago". Digam-me se acham isto normal? Não acho, mas toda a gente o faz nas férias.

Ah e tal, porque ter uma alimentação saudável durante a época de trabalho até é fácil, estamos equilibrados, temos uma rotina, mas quando saímos da rotina manter a alimentação saudável já é chato, uma maçada. Porque aparecem os "apetece-me tanto", "que s'a lixe é só esta semana", "ah e tal depois faço detox".

Sim, meus caros, durante todo o ano é fácil, mas experimentem fazer dieta durante as férias. Isso sim é lixado. Que atire a primeira pedra quem nunca comeu pizza com restos de presunto ao pequeno-almoço nas férias! Quero ver quem se "astrebe"!

*não são publicidades, são mesmo coisas que gosto muito de comer/beber no verão! Quem me dera ser paga por estas marcas só para falar nelas no blog assim como quem não quer a coisa. Não andava aqui a aturar este chefe de certeza...

22
Ago16

Daqui a 1 ano.

Este post foi escrito em 22 de Agosto de 2015 e é um desafio que fiz a mim própria, de escrever uma carta para o meu eu de daqui a um ano (espero que continues fantástica dESarrumada, com os teus 25 aninhos). Tudo começou quando vi uma daquelas memórias do facebook (sim, o facebook agora tem uma nova aplicação onde te mostra todas as recordações do que postaste nesse dia, nos anos anteriores), e vi um vídeo que um amigo meu postou, e que eu filmei, era ele a fazer aquele desafio de levar com um balde de água (neste caso garrafa), e depois nomeava pessoas para fazerem o mesmo... e o que mais me tocou ao ver esse vídeo, foi lembrar-me de como tinha sido essa noite. 

Tinha saído do meu trabalho anterior, em Portugal, às 22h da noite como sempre, fui ter com ele à cidade (sensivelmente 45 minutos de estrada), jantamos no Mcdonald's (o único sítio aberto de jeito) e depois fomos para ao pé de um café muito conhecido da cidade, mas com uma zona um bocado escondida, e lá filmámos o vídeo. Este vídeo fez-me pensar: há exactamente um ano atrás não sabia que passado um ano ia estar em França, e que estes momentos de desespero por causa de trabalhar 12h por dia, a recibos verdes, iam passar. Mas também acabou, a facilidade com que posso ver este meu amigo e os meus pais. E o sol e bom tempo de Agosto. 

Então, como estarei daqui a um ano? Decidi deixar umas perguntas ao meu futuro EU, sobre as coisas que me preocupam mais agora. E ver se, efectivamente, a vida muda assim tanto no espaço de um ano.

Ainda falas com o menino que está em Portugal? Ainda gostas dele?
Já fizeste as formações que querias? 
Já mudaste de trabalho?
Como está o avô F, e a avó I? O último tratamento do cancro correu bem? A operação aos olhos também?
E a mãe, já encontrou trabalho?
E o mano, como corre essa 2ª oportunidade na universidade? Muito estudo?
Esse cabelo, já voltou à cor natural?
E os 6kg que querias perder?
Já és uma menina grande?


Bem, penso que é tudo dESarrumada com 25 anos... aqui a tua versão um ano mais jovem deseja-te uma boa continuação. E um conselho, agora ter 25 anos não parece muito mal, espero que estejas a aproveitar bem esta fase em que és mais crescida. Responde com carinho.

20
Ago16

Coisitas parvas #3

Estava num restaurante na feira de São Mateus e ouvi uma senhora na mesa ao lado pedir uma dose de picanha. Até aqui tudo bem, não fosse a senhora acrescentar o pedido: ... bem passada, se faz favor!

Digam que concordam comigo quando digo que a palavra "picanha" e a expressão "bem passada" a existirem na mesma frase devia ser considerado ilegal.

17
Ago16

Desabafos...

O período de férias traz-me quase sempre pensamentos negativos. Estar na casa dos meus pais lembra-me sempre inseguranças e traumas do passado. Chego cá a sentir-me bem e saio de cá a sentir-me uma merda.
Gostava que fosse diferente, gostava de estar aqui e sentir-me bem, como todas as férias deviam ser.

Tento trabalhar com os meus sentimentos, tento aplicar as típicas técnicas do "o que importa não é o acontecimento, mas sim como o encaras". Mas nem sempre consigo. E choro, choro muito quando venho cá. A razão principal: discutir com o meu irmão. A maior parte do tempo damo-nos bem, mas às vezes surgem situações completamente parvas e discutimos. Tive de vir aqui ao blog desabafar com vocês. Já não aguentava mais esta dor no meu peito. É difícil manter sempre a "fachada" de gaja feliz e que está (quase) sempre de bem com a vida, quando discuto com familiares. Porque será que isto acontece? Porque não consigo vir uma única vez de férias sem haver uma discussão? 

Sinto que a culpa disto é minha, que podia estar melhor se não fosse tão má pessoa. Sinto-me um ser horrível. Não mereço estas pessoas. Só tenho vontade de nunca mais vir cá de férias só para eles não levarem comigo.

Pág. 1/2