Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

a dESarrumada

Citações minhas: "eu se não gostasse de meter aqui baboseiras pessoais já há muito que não tinha um blog... é que sinceramente, não tenho mais nada de interessante para escrever."

a dESarrumada

Citações minhas: "eu se não gostasse de meter aqui baboseiras pessoais já há muito que não tinha um blog... é que sinceramente, não tenho mais nada de interessante para escrever."

31
Mar17

Coisas que a minha avó da serra diz #7

"Ai filha, não percebo porque é que sentindes tanta confusão de eu ir aviar as galinhas com as pantufas que me désteis no Natal. Elas têm um pêlo tão quente que até me ajudam aqui a aquecer os artelhos." - diz ela à minha mãe enquanto discutem sobre o destino atroz de umas pantufas de quarto brancas, daquelas felpudas, que custaram 25€.

 

By Avó Maria,

uma mulher da serra

28
Mar17

Ai a pressão... ou a falta dela.

Meus caros, ando frustradíssima com a pressão da água do meu chuveiro novo. Passei de ter uma banheira na casa antiga para ter uma cabine de duche aqui, e isto, para além de ter menos espaço para tomar banho e fazer a minha depilação em paz, ainda tinha que ter um chuveiro merdoso onde a água quase que sai a conta-gotas. E vocês sabem que eu sou uma gaja que adora sentir pressão, se é que me entendem... 

 

26
Mar17

Esta música deve ser a melhor do filme [Vaiana spoiler alert]

Já devem saber que sou uma super fã de todos os filmes da Disney! E o filme da Vaiana (Moana em frança e outros países) é um dos que está no meu top 3, sem dúvida!

Lembro-me de tê-lo visto no cinema em Portugal (com ele) e ter adorado!

E ainda bem que o vi em português, porque as versões das músicas portuguesas estão excelentes... para mim, esta é sem dúvida, uma das melhores "villain songs" da Disney... se não for das melhores, pelo menos é das que tem mais estilo! 

 

 

24
Mar17

Conversas sobre o futuro, com elas.

Adoro ter estas conversas com elas. Daquelas que duram horas e horas. Adoro aquela sensação de libertar palavras que ficam e ecoam no tempo, ou que um dia esquecerei, quem sabe o Alzheimer chegue mais cedo.

 

Sei que devia ter uma vida mais saudável, sei que devia deitar-me mais cedo, comer melhor, ler mais, largar as redes sociais. Sei que sei toda a vida que devia estar a viver na teoria, mas na prática é que a coisa não corre como costumo ver no ecrã.

 

Falamos sobre tudo e sobre nada, que frase tão banal, mas tão verdadeira. Todas temos as nossas dúvidas, os nossos sonhos, todas temos as nossas comparações de estimação, daquelas que só trazem mais mal do que bem. Porque é que os outros acordam às 6 horas e meia da manhã para ir correr e eu só consigo sair da cama após 6 toques de despertador?

 

Viver em plena consciência seria necessário, eu sei. Devia meditar mais, fazer yoga de vez em quando, dormir mais, comer legumes, quiçá cortar completamente no açúcar, e se estivesse bem disposta devia tentar ser vegetariana ou vegan, ou algo do género. Será que ando a comer demasiada carne?  

 

Mas ela também é assim. Ela come massa todos os dias, ela não faz exercícios todos os dias, às vezes ela chega a casa e come um pacote de bolachas inteiro. Ela é como eu. Como tu. Como todos nós que nos achamos adultos de arrastão, fazemos isto só porque tem que ser. Os outros têm vidas que parecem tão perfeitas. E sentimos que só estamos no início, apenas a começar, e que os outros já chegaram lá, já perceberam como se faz.

 

Mas bem lá no fundo, admitamos, queríamos todos construir um forte de almofadas e passar o dia inteiro lá dentro a ler banda-desenhada. Isso sim é que era o sonho. Ser adulto é demasiado chato.

 

Adoro ter estas conversas com elas.

 

Pág. 1/3